A terapia pela fala ainda funciona?

June 21, 2018

       

   Diante do "mar de terapias" que encontramos atualmente e do que tenho visto por aí quando o assunto é psicoterapia, me ocorreu a seguinte pergunta: a clássica terapia pela fala ainda funciona?

        Vamos a algumas considerações para tentar chegar a uma resposta satisfatória, na medida do possível. Quando me refiro à "terapia pela fala", estou me referindo a uma forma tradicional de se fazer terapia em que a interação terapeuta-cliente é quase que exclusivamente verbal. Ou seja, o que ocorre na sessão de terapia é um diálogo ou uma conversa entre a dupla terapêutica, onde na maior parte do tempo quem fala é o cliente. Quem já fez terapia ou está razoavelmente familiarizado com o trabalho do psicólogo clínico não há nenhuma novidade nisso. A própria mídia divulga o nosso trabalho desta forma.

     Bom, embora eu não trabalhe com psicanálise (provavelmente a forma mais conhecida de psicoterapia), ao me ocorrer essa pergunta, lembrei, inevitavelmente, de Freud, que utilizou pela primeira vez esta expressão, buscando enfatizar a importância da palavra na "cura" de perturbações emocionais. Desde Freud (ou seja, início do século XIX), a terapia pela fala atravessou os séculos, se popularizou e ainda domina o cenário das práticas psicoterápicas na grande maioria das abordagens terapêuticas. É um "fazer clássico" do psicoterapeuta que marca a sua prática e a representação que as pessoas têm do psicólogo.

        Ocorre que esta prática, como qualquer outra prática científica, sofreu e vem sofrendo diversas críticas e questionamentos em relação à sua eficácia. Isso é saudável para qualquer prática científica, pois ajuda a aperfeiçoá-la ou abandonar práticas que já não funcionam. Trazendo para o cotidiano do senso comum, ouço com certa frequência coisas do tipo, "psicólogo é só para conversar, né?", "ah! vou chegar lá, ele vai ficar me fazendo um monte de perguntas e vou ter que ficar falando de mim mesmo, do que isso adianta?", ou, "conversar eu converso com um amigo, para quê vou pagar alguém para me ouvir?"

     Com a modernização das práticas psicoterápicas - nem todas cientificamente embasadas ou até mesmo reconhecidas pela Psicologia - , houve uma grande diversificação das formas de se tratar os problemas emocionais. Ou seja, algumas terapias e terapeutas "deixaram de lado" ou passaram a não dar tanta ênfase à interação verbal com o cliente, ao relato, à conversa, tão tradicional na nossa atuação. Estas terapias procuram focar mais em técnicas, em ferramentas ou em algum recurso "impessoal" que, a princípio, seria mais eficaz do que a clássica terapia pela fala. Dois exemplos comuns que me ocorrem são a hipnose e os protocolos de tratamento fechados para transtornos específicos, como ansiedade generalizada. Aqui, em geral, privilegia-se a ferramenta e não a relação terapeuta-cliente.

         Bom, é evidente que esse artigo se propõe muito a expor o meu ponto de vista pessoal sobre o assunto (e não teria como ser diferente). Nesse sentido, penso que a NATUREZA de um trabalho psicoterápico faz com que seja indispensável a expressão verbal intensa e profunda do cliente, uma vez que a essência da psicoterapia é uma relação interpessoal que deve ser marcada pela confiança, acolhimento, profundidade, intimidade, etc. Terapeuta e cliente devem se sentir à vontade (o tanto quanto possível) um com o outro. Esse "sentir-se à vontade" e todas as outras características mencionadas de uma psicoterapia ocorrem, via de regra, através do diálogo, da conversa, da comunicação diferenciada que marca o nosso trabalho. 

      Sem entrar no mérito de pesquisas que comprovam ou não a eficácia de terapias pela fala versus terapias mais focadas em técnicas, o ato de "falar" no contexto da terapia e o foco na interação verbal se configuram como elementos transformadores de repertórios comportamentais amplos. Ou seja, é somente na medida em que o cliente fala, se expõe intimamente, se permite ser quem realmente é, se permite revelar seus fantasmas mais assustadores para o terapeuta, é que estará sendo construída uma relação verdadeiramente íntima, abrindo as portas para que o terapeuta possa ajudar o cliente "real", o que me parece menos provável em um tipo de terapia focado em técnicas ou ferramentas específicas. 

    A riqueza e a beleza da "terapia pela fala" ainda me parece muito viva e tem produzido relações e experiências terapêuticas únicas, intensas e transformadoras, independentemente do quão antiga esta prática possa ser e dos objetivos de quem procura uma terapia. O potencial de cura através da fala é difícil de ser medido, mas certamente abriu caminhos antes impensáveis para a compreensão e tratamento dos problemas emocionais. Termino o texto com a mesma pergunta do título: a terapia pela fala ainda funciona? Prefiro não arriscar uma resposta simples do tipo "sim" ou "não" para uma pergunta tão complexa. Deixo a critério do leitor refletir sobre o tema.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes

September 10, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags