Por que o constrangimento nos constrange?

July 26, 2019

       

   

     Tímidos e ansiosos sociais são extremamente sensíveis a qualquer sinal de crítica ou desaprovação dos outros. Estão constantemente preocupados em agradar, causar uma boa impressão ou mesmo não incomodar os outros. Estão em uma posição vulnerável, onde, a qualquer momento, podem ser "flagrados" pelo olhar e pelo julgamento alheio. 

       O olhar do outro é extremamente constrangedor para estas pessoas e elas fazem de tudo para evitá-lo.  Ao perceber que estão sendo percebidas, estas pessoas ficam nitidamente desconfortáveis, geralmente ficam com o rosto quente, vermelho, seu coração acelera, suas mãos tremem e assim por diante. É como se estivessem sendo oprimidas por uma força incontrolável vinda do outro. 

     A avaliação das outras pessoas se torna extremamente poderosa em gerar todo esse desconforto, fazendo com que o ansioso social sinta-se fraco, impotente, pequeno diante da suposta superioridade do outro que ele costuma acreditar. Talvez ele pense: "não consigo suportar isso" ou "não sou capaz de lidar com as pessoas".

     Bom, o próprio fato de demonstrar sinais de ansiedade ou embaraço representa, para o ansioso social, um sinal de fraqueza, inferioridade ou, no mínimo, de que há algo de errado com ele. Essa é uma preocupação aterrorizante para quase todos os ansiosos sociais: perceberem que ele está nervoso!!! De alguma maneira, estas pessoas aprenderam que não devem demonstrar ansiedade na frente dos outros, pois isso resultaria em uma avaliação negativa por parte deles.

         Logo, o constrangimento se torna mais um motivo para ficar constrangido. Funciona mais ou menos assim: "Eu não deveria ficar constrangido na frente dos outros, mas eu fico. Então fico constrangido por estar constrangido". As próprias reações corporais se tornam fonte de constrangimento, pois os outros podem notar, e isso será terrível. Vão pensar que sou anormal, estranho, maluco, e assim por diante.

        Se não bastasse o desconforto gerado pelo olhar do outro, o ansioso social quase sempre dobra o seu desconforto: desconforto pelo olhar do outro e desconforto pelo próprio desconforto percebido pelo outro

      A aceitação saudável da própria experiência emocional passa longe aqui. O ansioso social não admite poder ficar ansioso, nervoso diante dos outros (um grande paradoxo, pois isso só produz mais ansiedade). Ele entende que deve estar sempre calmo, seguro, confiante e, principalmente, demonstrar isso aos outros. No final das contas, o que importa para ele não é ele mesmo enquanto pessoa, mas sim como os outros irão percebê-lo, que impressão irá causar. Quanto poder dado aos outros não?

        Alguns questionamentos podem ajudar a refletir sobre isso e diminuir o poder dos outros sobre nós: "o que tem demais eu ficar nervoso/ansioso na frente dos outros?", "tentar controlar meu nervosismo ajuda ou me deixa ainda mais preocupado e ansioso?" "será que eu tentar não demonstrar que estou ansioso para o outro não aumenta ainda mais o poder dele sobre mim?" "e se eu aceitar minha ansiedade, como algo natural, posso lidar melhor com ela?" "Posso conviver com meu próprio desconforto sem necessariamente vê-lo como um inimigo mortal?"

        Pense sobre estas questões e não busque motivos extras para ficar mais ansioso. Se você ficou constrangido, ansioso, embaraçado, ok!! Isso só não precisa ser motivo para mais constrangimento!!

         

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes

September 10, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags